Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Blog Verde

O Blog Verde

Contactar o Verde

Se tiver algo a dizer sobre o Verde, não hesite em contactar-lo. A sua opinião será sempre útil e bem vinda. Os contactos são: daniela_urbano1@hotmail.com andre.f.veiga@gmail.com

A taxa de desflorestação da Amazónia caiu 25,3 por cento entre Agosto de 2005 e Julho de 2006, tendo sido devastados 14.039 quilómetros quadrados de floresta, equivalente a 15 por cento do território português, divulgou hoje (10 de Agosto) o governo brasileiro.

Foi a segunda diminuição consecutiva da desflorestação da Amazónia, já que entre 2004 e 2005 se registou uma redução de 31 por cento, com uma área devastada de 18.790 quilómetros quadrados.

"Isso mostra que antes havia uma tendência de crescimento e que agora está a cair significativamente", afirmou o presidente do Instituto Nacional de Pesquisa Espacial (Inpe), Gilberto Câmara.

A área desflorestada de 2005 a 2006 é maior, entretanto, do que a estimativa do governo divulgada em Outubro pelo governo, que era de 13.100 quilómetros quadrados.

De acordo com o levantamento, 80 por cento da desflorestação da Amazónia ocorreu em apenas três dos nove Estados da Amazónia brasileira - Pará, Mato Grosso e Rondónia - mas verificou-se também aumento da devastação no Amazonas.

A região amazónica brasileira é uma das mais ricas do mundo em biodiversidade e ocupa uma área de 4,1 milhões de quilómetros quadrados, abrangendo os Estados do Amazonas, Pará, Acre, Rondônia, Roraima, Amapá e partes do Mato Grosso, Tocantins e do Maranhão.

O plano brasileiro de Prevenção e Controlo da Desflorestação da Amazónia foi lançado em 2004 e reúne 13 ministérios na implementação de medidas para a região, com foco no desenvolvimento sustentável e no combate a crimes ambientais.

(Lusa)

Mais uma semana, mais uma rubrica de Conselhos Verdes!

Desta vez deixo-vos "Os 4 R's", não...não são os R's da reciclagem...estes são um pouco mais abrangentes...ora vejam:


1- REDUZIR:

- É fundamental não comprar coisas supérfluas mas somente o absolutamente necessário de forma a salvaguardar ao máximo os recursos naturais, para além de reduzir as despesas monetárias

- Não comprar produtos contendo várias embalagens

- Não comprar ou utilizar nenhum tipo de produto descartável, utilizar lenços, guardanapos e fraldas (etc) de pano

- Ao fazer compras levar sempre sacos, de tecido de preferência

- Não comprar jornais e revistas (ou outros) de forma a diminuir a necessidade de papel e haver menos florestas destruídas. Se precisar de informação poderá ir a uma livraria de livros usados, a uma biblioteca que tem sempre os jornais do dia, pedir emprestado ou utilizar a Internet

- Não comprar apenas porque está na “moda” ou por ser mais “giro” (CD’s, telemóveis, roupa, etc)

- Reduzir ao máximo a utilização de plásticos, materiais muito prejudiciais à Natureza


2-REUTILIZAR:

- Reutilizar sempre os sacos de plástico ou utilizar sacos de pano

- Comprar livros, roupas, carros ou outros produtos em 2ª mão


3- REPARAR:

- Utilizar o mais possível os aparelhos electrónicos que tiver, reparando-os quando estes se avariarem

- Procurar reparar o calçado, vestuário e mobiliário que tenha ou adaptá-los a novos estilos 

- Procurar fazer uma boa manutenção da sua viatura ou de outros equipamentos que tenha

 
4- RECICLAR:

- Reciclar todo o papel, papelão, vidro, embalagens, Tetra Pak, plásticos, lâmpadas, esferovite, metais, pilhas, madeira, equipamentos electrónicos (telemóveis, televisores, computadores, etc), tinteiros ou outros materiais que tiver em casa ou fora dela, limpando e separando-os primeiro.

Criado pelo Decreto-Lei nº373/87, de 9 de Dezembro, posteriormente regulamentado pelo Decreto-Regulamentar nº2/91, de 24 de Janeiro, o Parque Natural da Ria Formosa estende-se ao longo de 60km da costa sotavento do Algarve (e não Allgarve!), entre o Ancão (concelho de Loulé) e a Manta Rota (concelho V. R.Sto Antonio), ocupando cerca de 18400 hectares, distribuidos pelos concelhos de Olhão, Loulé, Tavira, V. R. de Sto António e Faro. Anteriormente a Ria Formosa tinha estatuto de Reserva Natural, instituído em 1978.

A maior parte desta área corresponde ao sistema lagunar da Ria Formosa, um cordão de ilhas e peninsulas arenosas que se estende mais ou menos paralelamente à costa, protegendo uma laguna onde se desenvolve um labirinto de sapais, canais, zonas de vasa e ilhotes.

Estas caracteristicas naturais e a sua situação geográfica elegem-na como àrea de grande importância do ponto de vista da avifauna, sobretudo a aquática. Nesta qualidade, pela Convenção de Ramsar (tratado inter-governamental adoptado em 1971 na cidade iraniana de Ramsar) o parque foi classificado como Zona Húmida de Interesse Internacional.

O parque constitui uma zona de invernada de aves provenientes do Norte e Centro da Europa, com destaque para algumas espécies de anatideos, como a piadeira (Anas penelope), o pato-trombeiro (Anas clypeata), o marrequinho-comum (Anas crecca) e o zarro-comum (Aithya ferina), e os limícolas, como o pilrito-comum (Calidris alpina), o fuselo (Limosa laponica), o maçarico-real (Numenius arquata) e a tarambola cinzenta (Pluvialis squatarola). Constitui também uma zona de passagem para as migrações entre o Norte da Europa e a África.

O interesse do Parque não se esgota na avifauna. Constitui uma área de grande interesse botânico; funciona como "viveiro" de espécies marinhas, algumas delas de valor comercial e é uma área importante de reprodução de moluscos bivalves.

O símbolo do Parque é o caimão-comum, espécie rara que em Portugal existe e se reproduz exclusivamente nestes lagos algarvios.

(clica na imagem para ver um camão real)

O Parque Natural da Ria Formosa tem sede em Olhão (perto do Parque de Campismo de Olhão, em Marim) e oferece aos seus visitantes um percurso pedestre de 3 Km, no qual pode visitar:

  • Uma estação romana do séc. IV, com vestígios de antigos tanques de salga de peixe;
  • Um moinho de maré
  • Uma barca de atum que levava o pescado às fábricas de conserva da área
  • Um observatório de aves em liberdade
  • Um aquário anexo ao Centro de Educação Ambiental
  • Centro de Recuperação de Aves, onde se reabilitam aves feridas
  • Centro de Reprodução e Criação de Cães-de-Água do Algarve

Poder-se-á ainda visitar o Chalet do Poeta João Lúcio onde funciona actualmente uma Ecoteca. Este Chalet e a extraordinária Quinta da Regaleira (em Sintra) são os únicos exemplos da arquitectura simbolista em Portugal. O passeio pelo Parque tem em média a duração de uma hora e trinta minutos, mas se tiver a curiosidade suficiente para explorar todo este habitat natural, pode demorar o dobro do tempo, contribuido para tal umas simpáticas cabanas de madeira estratégicamente construidas para, em silêncio, conseguir observar toda a fauna caracteristica do Parque.

Aqui em baixo ficam algumas fotografias do parque. Cliquem nelas para aumentar.

     


A Ria tem também uma enorme importância económica devido à variedade de peixe, marisco e bivalves, sobretudo para Olhão, cidade também conhecida por ser a capital da Ria Formosa. Aqui se cultiva a ameijoa, saindo desta área cerca de 80% do total de exportação do país. A dourada, o robalo e o atum são peixes abundantes.

Mais informações acerca do parque aqui...

Como chegar lá? Clica aqui...

Contactos do Parque:

Sede
Centro de Educação Ambiental de Marim - Quelfes
8700 OLHÃO

Tel.: (351) 289700210
Fax: (351) 289700219

06 Ago, 2007

Nudibrânquios



Olá a todos,  hoje apresento-vos uma espécie nativa da ria Formosa. Os Nudibrânquios.
Os nudibrânquios são pequenos seres vivos marinhos, de cores e formas exóticas, cuja espectacularidade atrai tanto biólogos marinhos como fotógrafos submarinos.
O nudibrânquio cujo nome significa literalmente "com as brânquias ao nu", é um amável caracol sem concha. Ele tem o aspecto de um babado, mas com muita mobilidade, sendo impelido por meio de movimentos ondulatórios de seu corpo. Esta sinuosidade de movimentos e as cores vistosas do seu manto, lhes deram o apelido de "dançarino espanhol".




Existem cerca de 3000 espécies no Mundo, quase todas de água salgada, desde as regiões tropicais até aos mares da Antártida. O seu tamanho varia entre os 3 mm e os 28 cm, medindo a maioria entre 5 a 7 cm.Os hábitos alimentares e as estratégias utilizadas por este grupo de seres vivos na defesa contra predadores, e no ataque a presas, são extremamente eficazes. Estão muito bem preparados para se defenderem dos predadores, normalmente peixes de pequeno e médio porte, uma vez que podem assumir a cor das suas presas, onde se refugiam. Esta característica é também extremamente útil quando pretendem atacar anémonas, esponjas, etc.




Todas as espécies de nudibrânquios conhecidas são carnívoras, e a maioria são predadores especializados, muito selectivos no tipo de presas. Dentro de uma mesma família é normal encontrar diferentes espécies a alimentarem-se de presas muito semelhantes.
O nudibrânquio não tem armas próprias que assegurem sua defesa perante os predadores, por isso deverá pedir emprestado. Com este fim, o nudibrânquio vai à procura de uma anêmona, animais imóveis que vivem fixos ao fundo e que são conhecidos por suas células urticantes. O nudibrânquio não só é imune ao veneno poderoso das anêmonas mas, ao ingerir o mesmo, acumula-o em suas brânquias onde trabalhará como um poderoso urticante aos que o atacarem para comer.



A reprodução do nudibrânquios não é menos espetacular. São animais hermafroditas onde cada metade é beneficiária simultânea de óvulos e espermas, ou seja, na cópula entre dois animais, ambos são fecundados mutuamente e ambos procriarão. O hermafroditismo aumenta o potencial reprodutivo das espécies, uma vez que todos os indivíduos têm procriações e não apenas a metade deles. No caso do nudibrânquios, os filhotes quando nascem já possuem veneno que os pais o transmitem de forma que podem se defender até achar sua própria anêmona.



Talvez a coisa mais surpreendente é que os nudibrânquios não matam a anêmona, ficando satisfeitos ao consumir um ou dois dos seus braços, permitindo então ela se regenere. O por que desta atitude é uma pergunta que os cientistas procuram responder há muitos anos. Talvez a capacidade de seu estômago não lhe permite devorar uma anêmona inteira.

Mas, também é possível que o nudibrânquio queira preservar viva a fonte abastecedora do veneno que o mantém vivo. Talvez um raciocínio muito complicado para um caracol. Um raciocínio que os homens parecem não aplicar ou pelo menos não entender. Um mistério para resolver.

 

Agora ficam algumas imagens das espécies nativas de Portugal:

 


 


 


 

 

 

Entre outras para saberem mais acerca destes fascinantes animais podem consultar os seguintes links:

 

http://teste.net4.com.br/sgc/base/new4web.asp?idn=935

 

http://www.geocities.com/rui_biologia/docs/bedja.htm

http://www.narwhal.com.br/nudibranquios.htm

http://www.naturlink.pt/canais/Artigo.asp?iArtigo=6998&iLingua=1


Um estudo publicado numa revista científica demonstra que nos últimos 100 anos as temperaturas na Europa subiram 1,6 graus centígrados. O estudo aponta para um futuro com verões ainda mais quentes.

As ondas de calor que nos últimos anos foram consideradas directamente responsáveis pela morte de centenas de pessoas em toda a Europa estão a tornar-se mais frequentes e mais prolongadas.

De acordo com o estudo de um grupo de investigadores suíços que analisou à luz de novos métodos temperaturas máximas diárias de mais de 200 locais na Europa, as ondas de calor extremo são um sinal inequívoco de um progressivo aquecimento global.

A investigação, publicada numa revista da União de Geofísica Americana, vem demonstrar que desde 1880 as temperaturas subiram 1,6 graus centígrados e não 1,3 como até aqui era aceite pela comunidade científica. Segundo os investigadores, esta disparidade reside no facto de até 1930 o método de medir a temperatura não ser suficientemente fiável.

Por essa razão, concluem os cientistas, as estimativas de alterações nas temperaturas mais altas entre Junho e Agosto têm sido conservadoras.

As ondas de calor, que em 1880 duravam, em média 1,5 dias, têm agora a duração de três dias.

Fonte: Sic Online


Esta semana deixo-vos com um blog que pessoalmente visito todos os dias Ondas3 é um excelente blog gerido por Octávio Lima onde podemos encontrar todas as notícias relativamente ao ambiente em Portugal e no mundo.  Ideal para quem se quer manter informado sobre o estado actual do ambiente. Tem também para além disto duas rubricas "Mão pesada" onde mostra as sanções aplicadas a infracções ambientais e a rubrica "blogosfera" onde apresenta blogs interessantes ou algum post em particular. Isto entre outras. Para quem procura mais blogs ambientais e de outros temas que não só notícias tem também uma excelente lista onde se encontra de tudo o que há sobre ambiente.

Visitem vale a pena.



Os mais atentos já devem ter reparado, mas para os mais distraidos, tenho a informar que o dia dos conselhos verdes é à Quarta-feira, mas esta semana por falta de tempo, só hoje pude fazer o post...

Peço por isso desculpa não só aos leitores do Verde, como também aos seus restantes colaboradores....

Hoje deixo-vos alguns conselhos, mais uma vez, que todos podemos fazer no dia-a-dia! Esta semana os conselhos são com o objectivo de reduzir a poluição que tanto se faz sentir em todo o nosso planeta, e com consequências cada vez mais graves e devastadoras.


REDUZIR A POLUIÇÃO:

- Não fumar

- Não fazer fogos e sobretudo não queimar produtos tóxicos (borrachas, plásticos, etc) mas sim recicla-los

- Não deitar lixo para o chão

- Não despejar nenhum tipo de óleo ou produtos tóxicos ou perigosos para os esgotos ou para o lixo, colocar em garrafas e entregar em centros de tratamento

- Não deitar detritos não biodegradáveis para a sanita

– Não utilizar nenhum tipo de pesticidas ou adubos químicos (que têm impactos muito negativos) empregando métodos naturais como a compostagem – Entregar os medicamentos e suas embalagens nas farmácias

– Evitar usar pilhas, utilizar apenas as recarregáveis

- Tentar excluir todos os diferentes tipos de produtos químicos que utiliza em casa e fora dela, substituindo-os por produtos naturais (limão, vinagre, etc) ou com componentes menos poluentes e biodegradáveis

– Comprar sabonetes em barra, champôs, pasta de dentes, detergentes entre muitos outros produtos, que sejam 100% naturais (vegetais), menos prejudiciais ao ambiente e à nossa saúde (compre ou peça mais informações em lojas de produtos naturais)

- Não utilizar o ar condicionado porque destrói a camada de ozono

- Não utilizar latas de spray porque, lançando no ar gotículas de químicos, prejudicam o ambiente e a saúde

– Utilizar tintas livres de produtos tóxicos.

Espero que tal como eu, se empenhem e tentem reduzir a poluição à vossa volta!

Cumprimentos Verdes!

 

Semana no Verde


2ª feira - Fauna & Flora
ver
3ª - Locais Verdes
ver
4ª - Conselhos Verdes
ver
5ª feira - Imagem Verde da Semana
ver
6ª feira - Blog/Associação Verde da Semana
ver