28.6.07

Mais de um quarto da água em distribuição na rede pública do país é desperdiçada, registando-se uma média de 28,5 por cento de fugas, apurou um estudo da revista "Pro Teste", da associação Deco, a que a Lusa teve acesso.

O estudo mostra que as perdas de água na rede pública de abastecimento variam entre dois por cento em Mondim de Basto (com o sistema mais eficiente do país) e 54 por cento no Alandroal (no topo da lista do desperdício).

"Actualmente, por cada cem litros de água consumidos, apenas 58 são necessários para o fim desejado, o que mostra que a implementação do Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água está muito longe de ser conseguida", disse à Lusa a coordenadora do estudo, Sílvia Menezes.

O Programa Nacional para o Uso Eficiente da Água, aprovado em 2005, pretende atingir uma eficiência de utilização de 80 por cento no consumo urbano em dez anos, estando a sua concretização a cargo dos ministérios do Ambiente e das Obras Públicas.

(...)



Enfim ao que parece as câmaras municipais continuam a funcionar mal. Ainda hoje vi uma coisa linda de se ver. Regarem passeios. Um sistema supostamente gota-a-gota para regar uma pequena árvore a jorrar um jacto de água imenso para o passeio. Quanto à pequena árvore acho que vai apanhar uns salpicos. Como este há muitos exemplos ainda mais graves. O que o Verde pretende é:

Alertem os serviços competentes sempre que denotarem uma irregularidade no consumo de água

Assim, pelo menos supostamente, é necessário intervir e tomar as medidas necessárias. Quanto a esse Plano do uso eficiente das águas trataremos de analisar o seu conteúdo em breve.

Link do postPor Marta Santos, às 09:45  Ver comentários (3) Comentar

Acaba hoje a pergunta da semana resultados:


 

Das 114 respostas obtidas a maioria não sabia dos valores astronómicos de emissões de CO2 que a iluminação de uma habitação provoca. Apenas 12 pessoas afirmaram ter noção destes valores.


 

O verde deixa-vos agora um apontamento acerca da iluminação das casas e alguns conselhos para minimizar o consumo de energia.


 

A todos obrigado por participarem e já agora respondam à nova pergunta da semana.




A iluminação numa casa é responsável por cerca de 10 a 15% do consumo de electricidade total da habitação, o que corresponde a uma emissão anual de 450 Gg de CO2 equivalente (450 000 000 000 g).

A escolha da iluminação correcta para cada divisão, tendo em conta o tipo de actividades que se realizam em cada espaço, é muito importante para um maior conforto e um consumo mais racional de energia, traduzindo-se numa redução da factura da energia.

O uso de lâmpadas tecnologicamente mais eficientes permite poupar dinheiro, por consumir menos energia, e ao poupar energia está a preservar o ambiente.

A mudança do tipo de lâmpadas utilizadas é cada vez menos restringida, graças à adaptação das “novas” lâmpadas ao sistema das incandescentes.

Actualmente é obrigatório a presença da etiqueta de eficiência energética nas embalagens das lâmpadas, como forma de distinguir as lâmpadas que são mais eficientes, do ponto de vista energético, das que são menos eficientes. É também muito importante reparar na sua classificação quando têm a designação de ecológicas/económicas, pois existem no mercado lâmpadas com esta designação que têm uma baixa eficiência energética (classe D ou menos).

É preciso ter também em atenção a potência de lâmpadas que é indicada para os candeeiros.

É preferível utilizar menos lâmpadas, mas com mais potência: uma lâmpada de 100 Watts consome a mesma energia que 4 de 25 Watts, mas produz aproximadamente o dobro da luz, no entanto a melhor opção é a utilização de uma lâmpada fluorescente compacta que com uma menor potência atinge o mesmo grau de iluminação.


 

Quais os tipos de lâmpadas a usar?

 

Lâmpadas incandescentes são as menos eficientes energéticamente e aquelas que têm o menor tempo de vida, indicadas para locais em que a iluminação é feita em curtos períodos de tempo.

Lâmpadas halogéneo são mais eficientes que as lâmpadas incandescentes e têm um período de vida mais longo. São caracetrizadas pelas cores intensas, normalmente são utilizadas em projectores.

Lâmpadas Fluorescentes são as lâmpadas mais económicas gastam apenas 80% da energia para dar a mesma iluminação existem as normais, que se encontram vulgarmente em cozinhas e as compactas que surgiram com vista a substituir as lâmpadas incandescentes, são indicadas para lugares onde a iluminação se faz durante longos períodos de tempo.


 

fonte de informação: ecocasa
Link do postPor Marta Santos, às 09:10  Ver comentários (9) Comentar

Olá a todos! Aqui está um novo blog "verde" por sinal, aqui ficarão registados pequenos apontamentos acerca do nosso mundo natural, ecologia, ambiente, entre outros... O objectivo? Aprendermos todos um pouco mais. Esperemos que gostem!
Pesquisar no Verde
 
Junho 2007
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
13
15
16

17
18



Semana no Verde

2ª feira - Fauna & Flora
ver
3ª - Locais Verdes
ver
4ª - Conselhos Verdes
ver
5ª feira - Imagem Verde da Semana
ver
6ª feira - Blog/Associação Verde da Semana
ver
Contactar o Verde
Se tiver algo a dizer sobre o Verde, não hesite em contactar-lo. A sua opinião será sempre útil e bem vinda. Os contactos são: daniela_urbano1@hotmail.com andre.f.veiga@gmail.com
Comentários Recentes
Boa noite! Tenho uma porquinha e seu nome é Branqu...
Porquinhos da índia são apaixonantes.Mas em toda m...
Acabei de avistar uma Poupa, ave de extrema beleza...
Posts mais Comentados
57 Comentários
28 Comentários
subscrever feeds
blogs SAPO