19.9.08

A Universidade do Algarve (UAlg) volta a responder ao repto lançado anualmente pela Organização Marítima Internacional (OMI) para celebrar o Dia Mundial do Mar (25 de Setembro) e organiza de 25 a 28 de Setembro a II Semana pelo Mar.

Com o programa de comemorações, que se relaciona com a temática dos Transportes Marítimos, a Universidade do Algarve pretende envolver toda a comunidade na protecção e preservação do ambiente, consciencializando-a relativamente à importância dos oceanos e das zonas costeiras. Através desta iniciativa, que é coordenada em Portugal pelo Instituto Portuário e dos Transportes Marítimos (IPTM), em articulação com outras entidades intervenientes nas áreas da segurança marítima e preservação do meio marinho, a UAlg pretende ainda aproximar os jovens em idade escolar da realidade marítima (estuarina, lagunar, costeira e fluvial) que lhe é próxima, facultando-lhes uma percepção integrada dos seus valores e dos riscos que ameaçam a sua preservação e sobrevivência futuras.

Com uma tenda situada no Jardim Pescador Olhanense, na cidade de Olhão, a II Semana pelo Mar conta ainda com várias outras iniciativas programadas, como um concurso de graffitis e uma exposição de barcos miniaturas. Este ano o ponto alto do evento será um concurso de construção de embarcações, cujo objectivo é conceber e construir uma embarcação que deverá efectuar um percurso pré-definido num plano de água com pelo menos uma pessoa a bordo.
É importante estabelecer uma ligação entre a comunidade algarvia e a Universidade do Algarve num domínio tão relevante para ambos como o Mar”, explica a Prof.ª Cristina Veiga Pires, responsável pela Comissão Organizadora do evento. “A Semana pelo Mar aproveita o Dia Mundial do Mar para mostrar que o Mar é um sistema complexo: para alguns o Mar é um local de lazer, para outros uma fonte de inspiração ou de rendimento, para outros ainda um mundo para descobrir, representando cerca de 2/3 da superfície do planeta”, explica a docente.
A 1ª edição da Semana pelo Mar, em 2007, salientou os desafios ambientais que enfrentam os oceanos. Nesta 2ª edição irá desenvolver-se o tema dos transportes marítimos que, quer histórica quer culturalmente, sempre tiveram um papel importante na comunicação e nas relações mundiais.
Mais informações aqui...


15.1.08
Um juiz do Tribunal Federal da Austrália declarou hoje ilegal a caça de baleias na reserva marítima australiana na Antárctica, abrindo um precedente que impedirá empresas baleeiras japonesas de continuar aquela prática na região.

O magistrado australiano decidiu a favor da queixa apresentada em 2004 pelo grupo ambientalista Humane Society International contra a companhia baleeira japonesa Kyodo Senpaku Kaisha.

A organização não-governamental acusa a companhia nipónica de ter morto e ferido 1.253 baleias Minke (Balaenoptera bonaerensis) , nove baleias Fin (Balaenoptera physalus) e um número indeterminado de baleias Jubarte (Megaptera novaeangliae) no santuário marítimo declarado pela Austrália na Antárctica.

De acordo com a sentença proferida pelo Tribunal Federal australiano, a acção japonesa viola a Lei de Conservação da Biodiversidade e Protecção do Meio Ambiente da Austrália e, caso não seja suspensa, levará à extinção das populações de baleias na zona protegida.

O precedente pode levar a que o Governo australiano - um dos maiores críticos à caça de baleias - tome medidas mais drásticas para impedir que os baleeiros japoneses continuem a operar nessa região.

No entanto, o juiz do Tribunal Federal observou que os autores do crime não podem ser detidos fora do território australiano, pelo que o Governo precisa de obter a jurisdição (soberania legal) sobre o santuário marinho da Antárctica, criado em 2000 e não reconhecido por Tóquio.

Esta situação já chegou aos mais altos responsáveis políticos australianos, com o ministro dos Negócios Estrangeiros, Stephen Smiths, a pedir «cautela com a sentença» para não perturbar as relações diplomáticas com o Japão.

Já o ministro do Ambiente, Peter Garrett, anunciou que apoiaria qualquer requerimento nos tribunais para impedir a caça.

Actualmente a Austrália está a acompanhar de perto a situação e a vigiar a frota pesqueira nipónica a partir do navio «Oceanic Viking», do Departamento de Alfândegas australiano, e através de meios aéreos que registam todas as ocorrências.

Por causa desta intervenção, o governo japonês já se viu obrigado a suspender a caça de 50 baleias corcundas (ou jubarte), que inicialmente tinha autorizado para este ano.

Também a organização ambientalista Greenpeace está presente no local para impedir que os baleeiros nipónicos capturem baleias na zona protegida da Antárctica.

Na segunda-feira, uma perseguição levada a cabo pela organização ambientalista obrigou uma frota baleeira japonesa, constituída por seis navios, a abandonar a área de caça.

O Japão anunciou que este ano que pretende caçar mais de 1.300 baleias, alegando que quer realizar «estudos científicos», o que, segundo os grupos ecologistas, não passa de uma forma encoberta para efectuar capturas comerciais.

Em declarações à agência de notícias espanhola EFE, a Agência de Pesca Japonesa referiu hoje que a decisão do juiz australiano «não é vinculativa», afirmando que a zona onde as frotas baleeiras nipónicas operam «estão sob jurisdição internacional».

A Comissão Baleeira Internacional pediu em Junho passado ao Japão que suspendesse o seu «programa científico», após uma resolução não vinculativa patrocinada pela Austrália, mas Tóquio continua a ignorar essa recomendação.

A Comissão mantém desde 1986 uma moratória sobre a caça de baleias com fins comerciais, apesar das pressões japonesas para permitir capturas em pequena escala.

A Noruega é o único país do mundo que permite a caça comercial de cetáceos, mas o Japão e a Islândia caçam mais de 2.000 baleias por ano com fins «científicos».

O Japão sempre defendeu o seu direito à caça, argumentando que o consumo de carne e produtos derivados da baleias faz parte da cultura japonesa. A carne de baleia é altamente valorizada pelos consumidores japoneses e alcança valores de mercado muito elevados.

Diário Digital / Lusa


Olá a todos! Aqui está um novo blog "verde" por sinal, aqui ficarão registados pequenos apontamentos acerca do nosso mundo natural, ecologia, ambiente, entre outros... O objectivo? Aprendermos todos um pouco mais. Esperemos que gostem!
Pesquisar no Verde
 
Maio 2012
D
S
T
Q
Q
S
S

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
28
29
30
31


Semana no Verde

2ª feira - Fauna & Flora
ver
3ª - Locais Verdes
ver
4ª - Conselhos Verdes
ver
5ª feira - Imagem Verde da Semana
ver
6ª feira - Blog/Associação Verde da Semana
ver
www.greenpeace.pt
Contactar o Verde
Se tiver algo a dizer sobre o Verde, não hesite em contactar-lo. A sua opinião será sempre útil e bem vinda. Os contactos são: daniela_urbano1@hotmail.com andre.f.veiga@gmail.com
Comentários Recentes
Obliglado devem ser estabelecidas regras têm siste...
Se ao invés disso eles eram animais que serão bloq...
Olá, parabéns pelo blog!Conte conosco para dicas e...
Posts mais Comentados
subscrever feeds
blogs SAPO